homunkuli - Zitate

Wagner (assustado)
Salve ao propício astro da hora!
(baixinho)
Mas sopro e voz sustai na boca agora
Uma obra esplêndida vem vinda à luz.

Mefistófeles (mais baixo)
Qual é?

Wagner (mais baixo)
Um ser humano se produz.

Mefistófeles
Um ser humano! E que casal de amantes
Fostes trancar no tubo da fornalha?

(...)

Wagner
Vede! Reluz! – séria esperança augura,
Se de substâncias mil, pela mistura
A humana essência – a mistura é o jeito, -
Composta for e se unifique,
E destilada no alambique
Se coalhe es se solidifique,
Eis realizado o grande feito .

(...)

Homúnculo (na redoma, a Wagner)
Não foi gracejo, então! Como é, Paizinho?
Aperta-me ao teu peito com carinho!
Das coisas todas é o próprio inerente:
É a naturaza ainda o infinito escasso,
O artificial requer restrito espaço .
Goethe, Faust II

Cada movimento, segundo disse, tinha um centro de gravidade; era suficiente comandar este centro, no interior da figura; os membros, que não eram mais do que pêndulos, acompanhavam por si mesmos qualquer intervenção de maneira mecânica.
Heinrich von Kleist

A profundidade mais crítica se desenha: Frankenstein liga arte e ciência, a imagem cristalina e o cadáver repugnante, a violência e o sofrimento. Ele incorpora, no projeto monstruoso, uma ambigüidade humana, muito humana. Ele mostra as virtudes da imperfeição.
Jorge Coli

Se os corpos não existem fora da linguagem, as práticas da linguagem determinam a aparência, a expressividade e até mesmo a saúde dos corpos. Observem o que se passou, de uns vinte anos para cá, com os corpos doe jovens pobres no Brasil. São corpos muito diferentes do que foram os corpos de seus pais e dês seus avós, tão pobres como eles, tão desamparados como eles, provavelmente tão negros – pois a grande maioria dos pobres brasileiros é de origem negra – como eles.
Maria Rita Kehl

O corpo é visto por alguns entusiastas das novas tecnologias como um vestígio indigno fadado a desaparecer em breve. Ele se transforma em membro excedente, em obstáculo à emergência de uma humanidade (que alguns já chamam pós-humanidade) finalmente liberta de todas as suas peias, das quais a mais duradoura é o fardo do corpo.
David Le Breton

O controle da sociedade sobre os indivíduos não se opera simplesmente pela consciência ou ideologia, mas começa no corpo. Foi no biológico, no somático, no corporal que, antes de tudo, investiu a sociedade capitalista. O corpo é uma realidade biopolítica. A medicina é uma estratégia biopolítica.
Michel Foucault

O sr. Máquina foi um pobre-diabo, bastante doido, mas afinal era uma máquina, e uma máquina não faz o que quer, mas o que tem que fazer. Não sabe em que retorta essa matéria pesada e grosseira se organizou. Nasceu como um dos prodígios mecânicos de Vaucanson (autor de autômatos famosos), como eles sem espírito, sem alma, sem razão, sem virtude, sem discernimento, sem gosto, sem polidez es sem maneiras, pura máquina, homem-máquina.
Sergio Paulo Rouanet

zurück